• Palmital, 26 de Maio de 2018.

Com tipagem sanguínea rara, menino precisa de doadores especiais

 Portador de anemia falciforme, uma doença genética e hereditária, caracteriza por uma alteração nos glóbulos vermelhos, o menino sente dores articulares, fadiga intensa. A doença causa também palidez; atraso no crescimento e pode provocar feridas nas pernas; vulnerabilidade a infecções; cálculos biliares, além de problemas neurológicos, cardiovasculares, pulmonares e renais; entre outras consequências. De acordo com dona Nathalia Silveira, mãe de Vitor, o adolescente possui dores de cabeça, fraqueza, dificuldade pra anadar porque enfraquece tudo. “Quando ele nasceu lá no hospital São Vicente e foi feito o teste do pezinho já descobriram essa doença. Na hora a gente leva um susto, mas depois entrega nas mãos de Deus”. Entretanto, o tipo sanguíneo de Vitor é raro: O+e-.
Segundo médico Ian Saraiva, a campanha de doação de sangue foi escolhida para iniciar o movimento no município por não depender de qualquer volume financeiro. “Depende apenas do gesto solidário das pessoas”.  Apenas 1,5% da população é doadora e em períodos de férias, principalmente, o número de doadores cai. “O Hemocentro de Guarapuava atende os municípios da região e, por isso, há a necessidade de se manter o banco de sangue em dia”.