• Palmital, 29 de Janeiro de 2022.

Governo vai abrir 2 mil vagas de formação continuada para os professores em 2022

O Governo do Paraná vai reformular o Programa de Desenvolvimento Educacional (PDE), que promove a formação continuada de professores da rede estadual de ensino. O Projeto de Lei alterando a legislação será encaminhado à Assembleia Legislativa nos próximos dias e inclui mudanças no formato e no edital. As alterações vão permitir a abertura de 2 mil vagas de formação continuada no próximo ano.

É a primeira vez, desde 2016, que o programa abre vagas para os professores da rede estadual.  

Hoje, 30 mil professores do Quadro Próprio do Magistério (QPM), das classes 8 a 11, estão aptos a cursar o PDE. A partir dessa formação, eles têm a possibilidade de avançar na carreira. Para atender a demanda, o texto enviado aos deputados estaduais propõe a realização do programa a distância, um formato que não exige afastamento do trabalho, e ainda com carga horária reduzida, mas mantendo a duração de dois anos. Além disso, o projeto vai tramitar em regime de urgência.

“Com a alteração da Lei, vamos realizar o PDE. Nosso objetivo permanente é melhorar a educação do Paraná. Como o PDE é fundamental para o desenvolvimento e para a promoção dos professores, vamos colocar o projeto para tramitar em regime de urgência”, explica o governador Carlos Massa Ratinho Junior. 

O governador destaca a importância de garantir a melhoria da qualidade de ensino e a urgência na formação dos professores da Educação Básica. Ele ressalta que o formato a distância é mais econômico e ágil para a realização do programa.

“No atual cenário do País, ainda mais em virtude da pandemia da Covid-19, há necessidade de se ter docentes capacitados e preparados nos ambientes escolares para o enfrentamento dos impactos na aprendizagem causados pelo afastamento presencial dos estudantes da escola. Desse modo, a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte, com a alteração da Lei nº 130/10, prevê a realização do PDE sem afastamento laboral dos professores”, acrescenta.
 

Fonte: AEN